1993

Direto de 1993…saindo da estrada de Passos…
de dentro do Corcel vermelho, vejo uma luz ao longe
tempo com cheiro de terra batida, tempo com cheiro de carro batido…
.
Não tinha ressaca de manhã, de manhã era hora de chegar, pedir “bença” e ir trabalhar
os Deuses eram amigos, e os amigos era Deuses…
na sinuca, no truco da amizade… onde brigávamos de verdade!
.
Pulando de pontes, nadando em enchentes, um bando de pirralhos corajosos
caçando encrenca com os fracos e correndo dos fortes na virada da esquina
ficando com a prima, a prima da prima, e primeira que se via
.
Estávamos na roça, no Bar do Lindorfo, na Fonte, no fronte…
Dire Straits na vitrola, cantava qualquer uma, com duas de pinga 10 na cabeça
cantava na noite adentro, sem sair som pela boca….sem estresse e na vida loca
.
Já lambia o chão da rua, e o fundo das garrafas
em 1993 gritava pra MulaRir e tomava chá pra não dormir
em 93 eu e meus irmãos bebíamos água enterrada no chão
enterrada por um amigo dos bão
.
Não dá pra verbalizar minhas considerações aos meus parceiros de batalha
meus irmãos nessa vida, companheiros de ilusões
já fomos juntos ao Paraíso, com duas rodas num Fusca verde
fomos e voltamos como se fosse um maldito Mercedes.
.
De loló, benzina, e linha de trem fomos aos poucos desabando
Na roça, na Igreja, na Fonte…bebemos e entortamos…e o carro estacionamos.
.
Todos os momentos foram tão preciosos, que em minha cachola são ouro
de tolo que sou, virei Ouro, mas continuo a viver aqueles momentos
toda vez que abraço meus companheiros de batalha
toda vez que lembro que nossa amizade é aquele nó que não desata
.
Que saudade daquela estrada de Passos
e daquelas meninas que na sinuca nos faziam de patos…
que saudade da Prata e das brincadeiras dançantes
o que parecia que era trivial e efêmero
se tornou insistentemente crucial e relevante!
Em 1993.

1993

Anúncios

Meu primeiro amor

As vezes paro e penso, pergunto onde ela está

pergunto aos antigos pensamentos, onde estará

ao novo colega do bar, onde poderia estar

aos cantos, aos ventos, aos santos, ao ar…

.

Perdi ela numa cidade pequena do interior

perdi ela para as pessoas que não entendiam meu amor

ao amor por ela dedico minha luz

aos momentos sem ela dedico minha cruz.

.

Por onde meu amor anda agora senhor?

onde está seu brilho e seu odor?

talvez pelas ruas de São Paulo ou seu arredores

talvez pelas esquinas do mundo, em mundos melhores.

.

Te perdi mais ainda sinto seus beijos

te coloquei no ápice dos meus desejos

Foi você quem me fez escrever sobre a vida

Foi você quem curou minha maior ferida.

.

Mãe, porque você desaprovou meu primeiro amor?

Mãe, não adianta tentar evitar essa dor

hoje sei que tudo foi feito para o meu bem

embora sem ela Mãe, não sou ninguém.

.

Tento voltar atrás

mas já não dá mais

seguimos em frente então

na toada da solidão.

Eu e Vanessa comecando (2)

É fácil..

Estudar até os neurônios criarem calos

acordar ao meio dia lambendo a pia

reescrever uma poesia doentia

em dias sugestivos ensolarados.

.

Navegar em paraísos distantes

sonhar sonhos alheios perfeitos

viver com as galinhas no poleiro

sem medo de não ter sido o primeiro.

.

Ultrapassar os conhecimentos terrenos

transbordar simplicidade inocente

colher o que ninguém deu valor

e cultivar a dor do amor.

.

Ser um especialista do perdão

viver dentro de outro coração

se entregar a qualquer emoção

morrer feliz com toda essa ilusão.

e facil

Site imagem: weheartit.com

“Pedaços de mim”

Tudo era muito eu, …no auge de minha insensatez

sem saber no que iria dar, entrei na sala tímido e devagar

era tudo novo, tudo no inicio me fazia afastar

e pouco a pouco fui errando, as vezes muito, como era de se esperar.

.

Efemérides nos anos dois mil não nos deixavam piscar

um choro, a distância, a ausência do lar

nem saberíamos o que juntos iríamos suportar

eu e você, nós e eles, e tudo mais que tínhamos que estudar.

.

E sem notar fui respirando aquele ar conjunto de nossa amizade

respirando os tumultos, os problemas e as dificuldades

sem pestanejar briguei, esbravejei, discordei… chorei

sem perceber me tornei muitos,… acordei.

.

Acorda-se as vezes tão devagar, que fui embora sem te abraçar

meus cachorros, meus jardins, minhas escolhas me afastaram

nossa vida não espera, as vezes o reencontro é uma quimera

mas lembro-me de nossos sonhos, nosso desejo de amar.

.

Agora cada um respira seu empenho e seus metais

a vida é rápida, alegria e dor são cotidianas e reais

uns subiram muito, outros desceram ainda mais

uns acham que tem pouco, outros que tem demais.

.

Dizem que os sentimentos são únicos

que somos universos insólitos nesse espaço-tempo

que somos indivíduos e individuais

que somos pequenos e banais.

.

Talvez placas de bronze serão construídas e idéias fixadas

e por vários milênios serão fortes jargões e sempre amadas

talvez soem as trombetas para filosofias de um homem só

por várias gerações não serão esquecidas nem virarão pó.

.

Sim, somos únicos e diferentes, e é isso que podemos ser

e sim amigo, realmente tudo que eu disse é muito clichê

mas pode ter certeza que muito da minha individualidade

foi construída com sua amizade, um pedaço de você.

.

Só quero hoje relembrar nossas ideologias e nossos tombos na ladeira

hoje é dia sermos de novo um só e muitos, minha amiga e companheira

…amigo, nosso reencontro é agora, rindo ou chorando de verdade

vamos aproveitar os instantes de felicidade, na altitude intensa dessa cidade!

Pedaços de mim foto

 

Escrito em setembro de 2017 para querida Soraia Bento – Homenagem à Festa de 10 anos da turma Direito – graduada em 2007 na Universidade Federal de Ouro Preto, na cidade de Ouro Preto (MG).

….filosofando sobre minha relação com a Universidade Federal de Ouro Preto, minha República Baviera, e com a minha Turma de Engenharia de Produção, graduada em 2002.

Sobre Traíras e Traição II

Num processo de ação e reação,

vou escrever a segunda e última ladainha “Sobre Traíras e Traição”,

expelindo o rancor pra trás,

impulsionando pra frente minha redenção…

Uma carinha de anjo, um caráter de piada

segue ela enrolada na toada de sua ambição

sem personalidade e com frases mal acabadas

vai ela enroscada na mentira e na ilusão.

.

Cascavel d’água com um chifre pontiagudo dourado

materialista infame que ama a matéria inanimada

se faz de morta para pegar presas no atacado

depois joga a carcaça da ponte, no fim de seu plano macabro.

.

Passeia pelas lojas sorrindo como se fosse ao altar

só solta a carrapeta em Paris, debaixo do Arco do Triunfo

quem pretende ver amor, precisa ralar

quem pretende dar amor, precisa dar o mundo.

.

A primeira vista é um feixe de luz reluzindo

cheia de curvas onde muitos direto passarão

alguns construirão castelos sorrindo

outros irão cegamente gastar até seu último tostão.

.

E nada vai ficar no ar

nada vai sobrar

não há remédio, nem lugar

quando ela te picar.

.

Você vai sair lesado

jogado às traças, despedaçado

cheio de veneno pra retirar

com fundos buracos a fechar.

.

Mas…

ela vai nos meandros, em espiral

ela vai tranqüila, em família

com a consciência normal

vai em ziguezagues, não deixa marcas no chão

não há queixas, não há deixas

não há espaço, não há perdão

vai sem culpa, sem desculpa

com a desenvoltura que tortura

peixe cobra, se desdobra

se recobra em seu carrão

sai ilesa, sai princesa

em sua cobertura onde meu sangue jorrou

vai traíra, vai com Deus

em sua epopeia de horror.

O plágio é um crime em que lhe usurpam as palavras, tomam posse de seus pensamentos e, dependendo da utilização desses bens, pessoas menos favorecidas podem ser beneficiadas… isso me lembra um personagem que atuava nas florestas cerebrais….Robin Mind??

Citar

plagio1-1130x570

“Ecos da Corrupção”

Soterrado numa lama que perpassa a Vale, no vale de Mariana, estamos todos
afundados de baixo de uma base de concreto feita de dinheiro sujo, e inacabada
presos num presente, num cavalo de graveto, mancando em lentidão sob terras vulcânicas
conduzidos por dementes sádicos e mentirosos, saídos dos círculos de Dante.
.
Estamos vivendo ciclos angustiantes, a mercê dos prazeres e desmedidas Planaltinas
zumbizando e fitando telas e telas de ludibriantes histórias e estórias que não nos pertencem
de cabeça baixa, de estima baixa, diante das alturas aurículas dessa mídia de arestas afiadas
direcionados por corporações descompromissadas e empresários narcisistas.
.
Mas balbucia ferozmente pelas asas do avião central…
um Monstro de concreto, carne e papelão
corre petróleo salgado em suas veias e gás em seus pulmões
com seus olhos eletrônicos e pensamentos devassos
cheira a milhas os milhões, sempre faminto por tostões
vai devastando como um trem descarrilado eletrizado
vai atrás de seus criadores com cerebrais decisões.
O sistema não o vai segurar, o sistema não vai ter como julgar
ele está em profunda depressão esquizofrênica
não há dinheiro que possa o fazer parar
ele foi deixado esquecido na fila de uma fila qualquer
agora quer cabeças, quer justiça, quer vingar.
.
Esta chegando…
.
Brados retumbantes ressonam no seco ar do centro tropical
o Monstro voando vem, vem mostrar os sinais da criação do mal
vem vindo libidinoso e impassivo em direção ao seu habitat original
destruidor vem faminto…pra se satisfazer das iguarias da delação
vem sugar Vampiros, comer Lulas, e todos donos incontestes da razão
as pistas são gritos longínquos de dor de barriga dos heróis da opressão
um cheiro horrível de carne política podre lhe dá a direção
ele segue os ecos…, os ecos da corrupção!
.
Mas ainda estou vendo…
.
Velhacos gordos fechados em suas mansões cheirosas
com peças de diamante e ouro nos tornozelos inchados
vendendo livros e sugestões para novas dinastias políticas
bebendo espumantes deitados no chão de mármore de seus banheiros.